terça-feira, dezembro 18, 2007

O Processo de Mudanças do Espiritismo

O Processo de Mudanças do Espiritismo

Reinaldo Di Lucia


Amigos conheçam aqui uma parte do estudo, que muito bem elaborado, por Reinaldo Di Lucia. O estudo completo está nesse endereço:

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/movimento/o-processo.html

5. as mudanças

Para o que mudar refere-se àquilo que se deseja. Qual é a situação final que o espiritismo espera alcançar? O que a doutrina espírita necessita é retomar o status que possuía no tempo em que Kardec o trouxe ao mundo, ou seja, o de uma filosofia universal, possuidora de conceitos adequados aos fatos científicos demonstrados e que encara o Universo como um todo orgânico e consistente. O espiritismo surgiu como uma doutrina que, por tratar de maneira racional temas de elevada complexidade, sempre foi discutida nos meios intelectuais. O que hoje, infelizmente, não ocorre.

Como mudar , finalmente, refere-se ao método, ao caminho a ser empregado pelos espíritas para concretizar as mudanças necessárias sem descaracterizar a doutrina espírita, ou seja, mantendo seus pontos fundamentais enquanto forem cientifica e filosoficamente válidos.

Por quê? Nem todos concordarão comigo que a situação atual do espiritismo é insatisfatória. Essa diferença de opinião é resultado de duas visões distintas e, pode-se dizer, inconciliáveis no que diz respeito aos objetivos e aos métodos do espiritismo. Aqueles que acham que a principal razão de ser da doutrina espírita é a salvação do homem, é claro que não compreendem a necessidade de atualização. O conceito de salvação é absoluto e estático: o homem acha-se em erro e há um caminho previamente definido pela divindade ou por espíritos superiores que levam-no à perfeição; portanto, o que precisa ser modificado?

O principal objetivo do espiritismo é explicar o " modo de funcionamento " do Universo, a verdade universal ainda oculta. Claro que isto envolve o ser humano, e, portanto, envolve considerações éticas e morais. Mas, além de não se restringir apenas a isto, fica a questão: é possível a existência de uma ética independente do conhecimento da verdade? A resposta é não.

Não podemos esquecer também que, a favor do imobilismo ( da postura que diz que " como está, está bem " ) existem considerações de ordem política. Basta ver a estrutura de poder de nossos centros e federações espíritas para constatar que a principal forma de comando é uma ditadura disfarçada ( e, às vezes, nem tanto ): presidentes perpétuos e que mais.

Para que? Uma coisa precisa ser sempre lembrada, independente da necessidade de mudanças: é a posição em que Kardec colocou o espiritismo em relação à cultura. Kardec foi, sempre, claro ao posicionar a doutrina espírita como uma ciência que possuía conseqüências éticas e morais. E foi, também, claro ao dizer que o espiritismo acompanhará o desenvolvimento das ciências. Se uma autoridade fosse necessária, ninguém melhor que o criador da ciência espírita para autorizar a sua atualização.

BONS ESTUDOS! PARTICIPE, OPINE.

FAÇA SEU COMENTÁRIO!

Um comentário:

MARTO VIANA disse...

Parodiando o insigne cientista Lavoisier, podemos dizer: No Universo somente Deus cria, todo o resto se transforma... Dizemos ainda, que “todo o resto” evolui, pois a evolução é uma Lei Universal. Mesmo quando o que vemos nos pareça destruição, ainda assim, será uma fase do processo de reconstrução, evolução. Quando tratamos desse tema, a idéia que nos ocorre é sempre a cerca das coisas materiais que nos cercam, de ordem física, estrutural. Contudo, faz-se necessário compreender que, tal como no campo material, essa lei também se aplica ao campo das idéias. Ainda aqui a presença de Deus nos é revelada pela Unicidade de suas leis que se aplica a tudo. Portanto, a Doutrina dos Espíritos, conjunto de informações e revelações a cerca do Universo em suas dimensões por nós conhecida, a material e a espiritual, também deve evoluir para, assim, continuar em consonância com essas leis.
Para demonstrar a necessidade de fazer a doutrina dos espíritos avançar, não recorrerei ao lúcido aconselhamento do Mestre de Lyon quando disse que a doutrina deveria caminhar ao lado da ciência. Minha intenção não é procurar convencer aos espíritas “religiosista”, como refere nosso confrade Salomão Benchaya, da necessidade de atualização da doutrina. Desejo apenas tratar o tema da atualização científica da doutrina com um importante elemento que nos foi posto a disposição pelo Criador, o qual diz respeito à nossa própria evolução, ou seja, o raciocínio, neste caso, o raciocínio lógico.
Que temos evoluído nesses milhares de anos desde que conquistamos a consciência do nosso existir, não há dúvidas. Evoluímos muito, tecnológica e cientificamente, desde as cavernas às viagens de nossas sondas espaciais ao infinito macro e dos nossos microscópios ao infinito micro. Nesse ínterim, também evoluímos filosófica e moralmente, o pensamento humano avançou bastante nos últimos três séculos. Não tanto quanto nossos Guias, Mestres e Avatares o desejariam ou o quanto nos seria possível, todavia, mesmo assim, avançamos. E, nesse avançar da humanidade terrena, muita coisa mudou. Desde o nosso modus vivendis até a nossa maneira de ver e interpretar o mundo à nossa volta. Muitos conceitos, dogmas, e certezas científicas caíram ou foram modificadas. Mesmo a poderosa igreja católica, sempre tão fechada em seus dogmas, tem mudado nesses últimos decênios, não tanto o quanto necessitaria para refletir o real pensamento d’Aquele que a inspirou. Mas mudou, disso também não temos dúvidas. Não porque o quisesse, mas porque teve de mudar, sob risco de desestruturação interna que poderia levar à falência completa do império católico no mundo.
Levando em consideração que os nossos conhecimentos sobre o Universo avançam de modo gradual e constante, então, é necessário que o espiritismo seja constantemente atualizando em sua abordagem filosófica e científica, ou seja, que acompanhe e interprete os avanços da ciência sob sua própria ótica, adaptando ou mudando o que deve ser mudado em acordo com a nova versão interpretativa da ciência. Disse acima que não empregaria o aconselhamento de Kardec a respeito das mudanças futuras na doutrina como argumento, porém, gostaria apenas de lembrar que tais mudanças constituíam na realidade uma verdadeira preocupação do Codificador: "O espiritismo, marchando com o progresso, jamais será ultrapassado porque, se novas descobertas demonstrassem estar em erro sobre certo ponto, ele se modificaria sobre esse ponto; se uma nova verdade se revelar, ele a aceitará". Desde quando essa assertiva foi enunciada, muitas novas verdades científicas surgiram, muitas descobertas foram realizadas, principalmente nos cinco últimos lustros a ciência alcançou níveis inimagináveis para nossos avós. Contudo, nós espíritas nada temos feito para atender ao aconselhamento lúcido do Codificador, deixando que a doutrina se afaste passo a passo da ciência, sob risco de que, em futuro próximo, ela se transforme em mais uma seita mística cristã dirigida por pessoas encegueiradas pela própria fé. A esse filme já assistimos...

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

REFLITA

Aliança da Ciência e da Religião

A Ciência e a Religião são as duas alavancas da inteligência humana: uma revela as leis do mundo material e a outra as do mundo moral. Tendo, no entanto, essas leis o mesmo princípio, que é Deus, não podem contradizer-se.' Evangelho Segundo Espiritismo".